"pirueta"

R$ 40,00
. Comprar  
"Pirueta" é um livro de poemas sobre amor, as várias formas do amor. Publicado a primeira vez em 2017, pelo selo doburro, o livro possui duas capas (roxa e laranja). Se tiver preferência de cor, por favor, indicar nos comentários. 
-
"Poesia é risco, se sabe. E escrever sobre poesia também o é. Há sempre o perigo de, se não estivermos atentos e abertos, afunilar as possibilidades de leitura e experiência de um poema ou poeta. É uma armadilha. Mas não tem jeito, algumas vezes, seja na poesia, na reflexão ou na vida, é melhor cair e enfrentar as armadilhas do que evitá-las.
Digo isso porque a poesia de Regina Azevedo é tão maravilhosa e potente que creio que o melhor que poderia se escrever sobre ela seria repetir o conselho de Oswald: “ver com olhos livres”. Mas me parece impossível não tratar o fato de que Regina condensa muito do que de melhor representa a vibrante poesia brasileira de hoje. De uma forma ou de outra, está tudo lá. Vejamos:
A voz feminina. A poesia brasileira atual está marcada não apenas pela produção das mulheres, mas também pelo trato de temas centrais de um feminismo que está alterando profundamente e para melhor as relações e a nossa sociedade. Poetas como Angélica Freitas, Bruna Beber, Anitta Costa Malufe, Ana Martins Marques e tantas outras tratam dessas questões fundamentais, seja de forma explícita ou não, sempre com grande beleza e potência transformadora. Regina vem se somar a essas vozes, sem dever nada a elas, com luta e festa.
O impacto do digital. Regina é uma poeta muito jovem, mas que mesmo assim se mostra uma leitora atenta e informada de poesia. A rede digital permite isso, de forma inédita: o acesso não apenas à produção contemporânea como à história da poesia brasileira. Mas é preciso saber filtrar (e filtro talvez seja a grande ferramenta para o nosso tempo) a imensa e amorfa multiplicidade de informação para conseguir transformá-la em conhecimento. E Regina sabe. Além disso, o digital permitiu que autores de diferentes regiões do país dialogassem entre si sem ter que partir para os grandes centros tradicionais de cultura. Uma descentralização que tem criado uma nova e mais abrangente cartografia da produção cultural brasileira.
A irreverência. A poesia brasileira contemporânea tem, como dito, grande conhecimento literário, mas sem se tornar livresca. É uma poesia onde a experiência de leitura se confunde com a experiência de vida. Por isso, aliás, que tem conseguido conquistar um público jovem, se tornando uma arte de relevante intervenção na sociedade. Essa irreverência, essa liberdade no trato da escrita, contaminando-a das questões existenciais e políticas, com a leveza e a contundência necessárias, é um dado importante da nova produção e também da poesia de Regina.  
Mas tudo isso é praticamente irrelevante quando nos defrontamos com a força de versos como “dor tem o exato tom/ do rosa dos seus lábios/ misturado por pincel e tato/ ao rosa dos meus seios seus”. Regina Azevedo é antes de tudo uma poeta. Mais do que isso, é um acontecimento maior na poesia brasileira. Uma voz a ser celebrada."
 
Sergio Cohn 
• Prazo para postagem:
Veja também